De servo a rei – a trajetória de um obreiro do senhor

1 Samuel 16.13a a 25.21

 

1 CHAMADO E UNÇÃO

 

1 Samuel 16.13a,b: Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do SENHOR se apoderou de Davi.

 

- Aquele que é chamado tem a confirmação divina.

- Aquele que é chamado tem a aprovação divina.

- Aquele que é chamado tem a autoridade divina.

 

O que é unção? A unção é o símbolo da consagração divina do crente para o serviço de Deus.

 

1 João 2.20,27: E vós tendes a unção do Santo e sabeis tudo. (...)E a unção que vós recebestes dele fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas {as coisas,} e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, {assim} nele permanecereis.

 

1.1 O que é necessário entender sobre a unção

 

Primeiro. A unção é uma experiência que começa na conversão. É quando o Espírito de Deus passa a residir em nós.

 

Efésios. 1.13: Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

 

2 Coríntios 1.21-22: Mas o que nos confirma convosco em Cristo e o que nos ungiu {é} Deus, o qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.

 

E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o Dia da redenção.

 

Efésios. 4.30: “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção.

 

Nestes textos, vemos que eles falam do Espírito Santo como uma garantia para a salvação, que nos sela, marcando o objeto de sua posse. Aqui a unção é um selo.

 

Segundo. Os discípulos receberam o Espírito Santo a primeira vez em João 20.22 (E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo), e depois foram cheios novamente em Atos 2.4 (E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem) e depois novamente em Atos 4.31 (E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus). Ser cheio do Espírito Santo uma vez não garante unção para sempre. Precisamos ser cheios do Espírito Santo todos os dias, continuamente. É algo que ocorre mediante o seu Espírito no homem interior” (Efésios 3.16) e que deve ser cultivado de nossa parte, para que nos enchamos sempre do Espírito. “Enchei-vos do Espírito”, diz Paulo em Efésios 5.18. 

 

Terceiro. A unção é algo concreto que recebemos de Deus. Contudo, perdemos o vigor do Espírito. Segundo Efésios 4.30, nós o entristecemos. E as razões porque o Espírito Santo se entristece em nós está escrito em Efésios 4.25 a 29:

 

            Pelo que deixai a mentira e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros. Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o {que é} bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.

            Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.

 

 E depois, em 1 Tessalonicenses 5.19, Paulo aconselha: “Não apaguem o Espírito” (NVI).

 

Quarto. Em 1 João 2.20,27, unção é conhecimento divino. A presença do próprio Espírito Santo.

 

1 João 2.20: E vós tendes a unção do Santo e sabeis tudo.

 

1 João 2.27 E a unção que vós recebestes dele fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas {as coisas,} e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, {assim} nele permanecereis.

 

 

Quinto. Unção é também separação. Salmos 45.7; 89.20. Jesus foi separado, ou ungido pelo Pai, conforme Isaias 61.1, fato que se cumpriu em Lucas 4.18. Os utensílios do templo eram “ungidos”, isto é, separados. 1 Crônicas 16.22 () refere-se à separação de todo o povo de Deus.

Salmos 45.7: Tu amas a justiça e aborreces a impiedade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros.

 

Salmos 89.20: Achei a Davi, meu servo; com o meu santo óleo o ungi.

 

Isaias 61.1: O Espírito do Senhor JEOVÁ {está} sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos;

 

Lucas 4.18: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração

 

1 Crônicas 16.22: Não toqueis os meus ungidos e aos meus profetas não façais mal.

 

 

Sexto. Unção é delegação de autoridade. 1 Samuel 16.13, na unção de Davi e 1 Reis 1.39, na unção a Salomão e que depois é ungido novamente (1 Crônicas 29.22). Aqui um precedente: Pode-se ungir (autorizar uma pessoa) várias vezes perante o povo para que este respeite a autoridade de Deus sobre ela.

 

1 Reis 1.39: E Zadoque, o sacerdote, tomou o vaso do azeite do tabernáculo e ungiu a Salomão; e tocaram a trombeta, e todo o povo disse: Viva o rei Salomão!

 

1 Crônicas 29.22: E comeram e beberam, naquele dia, perante o SENHOR, com grande gozo; e, segunda vez, fizeram rei a Salomão, filho de Davi, e o ungiram ao SENHOR por guia, {ou príncipe} e a Zadoque, por sacerdote.

 

Conclusão: Unção é habitação de Deus em nós. Unção é inteligência de Deus em nós; é separação. É delegação de autoridade. A unção é completa e não se manifesta apenas como leão e águia, símbolos de força e altivez, mas como bezerro e homem, símbolos da humildade e de humanidade.

 

            Se alguém teve uma experiência com o Espírito Santo e a experiência a deixou orgulhosa, insubmissa, rebelde, achando que é melhor que os outros, é falsa unção, que não veio do Espírito da verdade. A verdadeira experiência com o Espírito Santo nos deixa mais humildes, serviçais e nos faz calar.

 

 

 

2 SERVIÇO

 

1 Samuel 16.21: Assim Davi veio a Saul, e esteve perante ele, e o amou muito, e foi seu pajem de armas.

 

            Quando compreendemos que servir a Deus é um imenso privilégio que nos foi confiado pelo Senhor, buscamos fazê-lo da forma correta. Para nos impedir o inimigo tenta roubar dos nossos corações a alegria de SERVIR VOLUNTARIAMENTE. Tenta semear nas nossas mentes mentiras como: "Ninguém se importa com o que você faz", "ninguém reconhece o seu esforço" ou "você está servindo mas está sendo humilhado". Mesmo ungido por Samuel, Davi não se negou a servir a Saul, Rei de Israel.

 

3 INICIATIVA

 

1 Samuel 17.32 - E Davi disse a Saul: Não desfaleça o coração de ninguém por causa dele; teu servo irá, e pelejará contra este filisteu.

 

3.1 Proatividade, iniciativa positiva

 

            Proatividade significa tomar iniciativas em direção à realização de algo. Dentro de nossa realidade, um obreiro proativo é aquele que se antecipa para realizar suas tarefas, aquelas que estão dentro de área de ação. É aquele que ninguém precisa apontar o que deve ser feito. Não espera ordem para que as suas tarefas sejam realizadas e resolvidas. Estão sempre disponíveis para atender às lideranças da igreja.

 

            O obreiro não pode ser moroso, lento demais, carrancudo, sisudo em demasia. Não deve se portar como um agente de segurança, um leão-de-chácara. O obreiro deve ser ligeiro, leve, resolvido, habilidoso.

 

            Em Mateus 25.24–30, Jesus conta uma parábola sobre o servo de um senhor que havia sido negligente por falta de proatividade. Ele recebeu um talento e o guardou, protegendo-o até seu Senhor voltar. Escondeu, não granjeou, não fez nenhum negócio, não entregou aos banqueiros para render juros, só guardou. Esse servo não tinha proatividade e Jesus lhe chamou de inútil e ainda lhe aplicou uma sentença terrível de perdição eterna.

 

Mateus 25.24–30: Mas, chegando também o que recebera um talento disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; e, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o {que é} teu.

Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabes que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei; devias, então, ter dado o meu dinheiro aos banqueiros, e, quando eu viesse, receberia o que é meu com os juros.

Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez talentos. Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver, até o que tem ser-lhe-á tirado. Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali, haverá pranto e ranger de dentes.

 

 

4 OUSADIA

 

1 Samuel 17.34-36: Então disse Davi a Saul: Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai; e quando vinha um leão e um urso, e tomava uma ovelha do rebanho, eu saia após ele e o feria, e livrava-a da sua boca; e, quando ele se levantava contra mim, lançava-lhe mão da barba, e o feria e o matava. Assim feria o teu servo o leão, como o urso; assim será este incircunciso filisteu como um deles; porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo.

 

Atitude e ousadia são das chaves mais importantes para alguém ser bem sucedido na vida. Ousadia é a maneira que alguém escolhe para ver e agir diante das circunstâncias e lidar com aquilo que aparentemente representa um problema. Antes de Deus mudar as circunstâncias, Ele deseja mudar você. Nossas escolham definem nossa sorte e nosso futuro.

            Davi é um exemplo do que Deus deseja de cada homem ou mulher: o equilíbrio de alguém excelente na intimidade com Deus e, por outro lado, cheio de atitude. O homem que é segundo o coração de Deus sabe orar e agir, mas também sabe tomar decisões no meio das pressões da batalhas da vida.

            Precisamos de ousadia para entrar com naturalidade na presença de Deus, no Santuário, como dizem as Escrituras, em Hebreus 10.19: “Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus”, certos de que o Senhor nos recebe e nos atende em Cristo. Precisamos de ousadia para sair da rotina e fazer proezas: “Em Deus faremos proezas” (Salmos 60.12a). A ousadia espiritual pode conduzir-nos à experiência de Paulo: “Posso todas {as coisas} naquele que me fortalece” (Filipenses 4.13). Precisamos de ousadia para seguir os caminhos do Senhor, indo contra a opinião pública, contrariando o sistema, nadando contra “o curso deste mundo” (Efésios 2.2, parte), não nos conformando com este mundo (Romanos 12.2).       

 

 

Esses alvos são profundamente difíceis e exigem séria e constante intrepidez. Precisamos de ousadia para confiar em Deus, ainda que “andasse pelo vale da sombra da morte” (Salmos 23.4), “ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares” (Salmos 46.2), e “ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide” (Habacuque 3.17a). 

Apesar de maltratados e ultrajados em Filipos, Paulo e Silas tiveram ousada confiança em Deus para anunciar o evangelho aos tessalonicenses, “com grande combate” (1 Tessalonicenses 2.2, in fine). Precisamos de ousadia para tornar conhecido o Evangelho do Reino, anunciar a Palavra de Deus, ensinar, falar e pregar a um mundo incrédulo, corrompido, desinteressado, cego e zombador, como aconteceu com os apóstolos: “e todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus” (Atos 4.31). Só com muita ousadia é possível alargar, alongar e firmar bem as estacas, transbordando para a direita e para a esquerda, não importando se sejamos fracos e poucos, como registrado em Isaías 54.1-3:

 

 Isaías 54.1-3: Canta alegremente, ó estéril {que} não deste à luz! Exulta de prazer com alegre canto e exclama, tu {que} não tiveste dores de parto! Porque mais {são} os filhos da solitária do que os filhos da casada, diz o SENHOR.

Amplia o lugar da tua tenda, e as cortinas das tuas habitações se estendam; não o impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas.

Porque trasbordarás à mão direita e à esquerda; e a tua posteridade possuirá as nações e fará que sejam habitadas as cidades assoladas.

 

Também está registrado na Bíblia que, quando estava para ser morto, Jesus “manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém” (Lucas 9.51b).

 

5 PLANEJAMENTO

 

 1 Samuel 17.40: E tomou o seu cajado na mão, e escolheu para si cinco seixos do ribeiro, e pô-los no alforje de pastor, que trazia, a saber, no surrão, e lançou mão da sua funda; e foi aproximando-se do filisteu.

 

            Davi já havia premeditado o que fazer quando decidiu enfrentar Golias, estabelecendo um plano e uma estratégia para derrotar o gigante. Sem o plano e sem a estratégia, Davi não conseguiria derrubar o gigante. Ele iria chegar diante do gigante, dar lugar aos seus temores da carne, aos seus medos humanos e não conseguiria derrubá-lo. Então, em dado momento, Davi revelou o seu plano, pondo-o em prática e derrotando Golias.

A vitória é conseqüência de pensamentos e de ações premeditadas. Uma vida vitoriosa não é feita ao acaso. O servo de Deus tem que saber para onde vai, o que espera da vida. Deve demonstrar o que deseja. Porque quando Davi efetuou o ataque, ele demonstrou a Deus o que desejava revelando o plano. Em 1 Samuel 17:45a, Davi disse ao filisteu:Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu vou a ti em nome do SENHOR dos Exércitos”. Davi planejara tudo na sua mente, no seu coração. O plano e o que aconteceria com Golias  já estavam gravados em seu coração. E o resultado deste plano foi a vitória.

6 CONFIANÇA E CONSAGRAÇÃO

 

1 Samuel 17.45: Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.

 

            Davi lançou mão de sua “arma secreta”: a confiança no nome do Senhor (v. 45) Para conquistar vitórias milagrosas precisamos ter uma vida consagrada e honrar a Deus em todas as coisas Com ousadia, autenticidade, dedicação e fé, gigantes são derrotados:

 

1 Samuel 17.45: E Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; e a pedra se lhe cravou na testa, e caiu sobre o seu rosto em terra.

 

7 SABEDORIA

 

1 Samuel 18.5: E saía Davi aonde quer que Saul o enviasse e conduzia-se com prudência, e Saul o pôs sobre os homens de guerra; e era aceito aos olhos de todo o povo, e até aos olhos dos servos de Saul.

 

            Para que um homem como Davi lograsse êxito na vida era necessário que agisse com sabedoria. Sabiamente, escolheu tomar suas decisões sob a orientação de Deus.

            Davi foi um militar respeitado e rei teocrático singular. Ele fez todos os preparativos para que Salomão construísse o templo. Consultava constantemente ao Senhor e aguardava a justiça divina, não se precipitando em suas resoluções e sabedoria.

            Outro ponto importante na administração de Davi foi aguardar a promessa de Deus em sua vida. Com isso aprendemos que o homem que é chamado por Deus deve ser paciente e aguardar o cumprimento da promessa. “E assim, esperando com paciência, alcançou a promessa” (Hebreus 6.15). O salmista Davi esperou com paciência no Senhor: ”Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor” (Salmos 40.1).

 

8 HUMILDADE

 

1 Samuel 18.18: Mas Davi disse a Saul: Quem sou eu, e qual é a minha vida e a família de meu pai em Israel, para vir a ser genro do rei?

 

            Davi foi humilde o bastante para que, mesmo ungido como rei, continuasse a servir a Saul como seu senhor. Contudo essa humildade não lhe tornou covarde perante os gritos de afronta do gigante Golias.

A vitória de Davi e o reconhecimento do povo, materializado nos gritos das mulheres, não atingiram o coração de Davi, mas atingiram como flecha o coração presunçoso, tímido e medroso do Rei Saul:

 

 

1 Samuel 18.7,8. E as mulheres, tangendo, respondiam {umas às outras} e diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares.

Então, Saul se indignou muito, e aquela palavra pareceu mal aos seus olhos; e disse: Dez milhares deram a Davi, e a mim {somente} milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino?

 

9 FIDELIDADE

 

 1 Samuel 22.14: E respondeu Aimeleque ao rei e disse: E quem, entre todos os teus criados, há tão fiel como Davi, o genro do rei, pronto na sua obediência, e honrado na tua casa?

 

            Davi permanecia de pé diante daquela perseguição, pois suas atitudes eram reconhecidas por Deus. Mesmo sob a iminência da morte, o sacerdote Aimeleque testificou a fidelidade de Davi ao Rei Saul.

 

10 DIREÇÃO DE DEUS

 

1 Samuel 23.2,4 - E consultou Davi ao SENHOR, dizendo: Irei eu, e ferirei a estes filisteus? E disse o SENHOR a Davi: Vai, e ferirás aos filisteus, e livrarás a Queila. (...) Então Davi tornou a consultar ao SENHOR, e o SENHOR lhe respondeu, e disse: Levanta-te, desce a Queila, porque te dou os filisteus na tua mão.

 

            Davi tinha consigo o sacerdote, e com ele a possibilidade de recorrer à orientação divina. Esse é um padrão que marca toda sua trajetória: primeiro e antes de agir, buscava o Senhor e sua Palavra. Essa foi sempre sua estratégia e podemos verificá-la em muitos episódios de sua vida:

 

1 Samuel 22.5: Porém o profeta Gade disse a Davi: Não fiques naquele lugar forte; vai e entra na terra de Judá. Então, Davi foi e veio para o bosque de Herete.

 

1 Samuel 23.2, 4, 9-11: E consultou Davi ao SENHOR, dizendo: Irei eu e ferirei estes filisteus? E disse o SENHOR a Davi: Vai, e ferirás os filisteus, e livrarás Queila.

(...)

Então, Davi tornou a consultar o SENHOR, e o SENHOR lhe respondeu e disse: Levanta-te, desce a Queila, porque {te} dou os filisteus na tua mão.

(...)

Sabendo, pois, Davi que Saul maquinava esse mal contra ele, disse a Abiatar, sacerdote: Traze aqui o éfode.

E disse Davi: Ó SENHOR, Deus de Israel, teu servo decerto tem ouvido que Saul procura vir a Queila, para destruir a cidade por causa de mim.

Entregar-me-ão os cidadãos de Queila na sua mão? Descerá Saul, como o teu servo tem ouvido? Ah! SENHOR, Deus de Israel, faze-o saber ao teu servo. E disse o SENHOR: Descerá.

 

2 Samuel 2.1: E sucedeu, depois disso, que Davi consultou ao SENHOR, dizendo: Subirei a alguma das cidades de Judá? E disse-lhe o SENHOR: Sobe. E disse Davi: Para onde subirei? E disse: Para Hebrom.

 

2 Samuel 5.19, 23: E Davi consultou o SENHOR, dizendo: Subirei contra os filisteus? Entregar-mos-ás nas minhas mãos? E disse o SENHOR a Davi: Sobe, porque certamente entregarei os filisteus nas tuas mãos.

(...)

E Davi consultou o SENHOR, o qual disse: Não subirás; {mas} rodeia por detrás deles e virás a eles por defronte das amoreiras.

 

1 Crônicas 14:10, 14: Então, consultou Davi a Deus, dizendo: Subirei contra os filisteus, e nas minhas mãos os entregarás? E o SENHOR lhe disse: Sobe, porque os entregarei nas tuas mãos.

(...)                                         

E tornou Davi a consultar a Deus; e disse-lhe Deus: Não subirás atrás deles; mas anda em roda por detrás deles e vem a eles por defronte das amoreiras;

 

Além dos registros históricos citados, a confiança de Davi no Senhor também é verificada nos seus Salmos:

 

Salmos 25.4, 5, 8, 9, 12: Faze-me saber os teus caminhos, SENHOR; ensina-me as tuas veredas.

Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu {és} o Deus da minha salvação; por ti estou esperando todo o dia.

(...)

Bom e reto {é} o SENHOR; pelo que ensinará o caminho aos pecadores.

Guiará os mansos retamente; e aos mansos ensinará o seu caminho.

(...)

Qual {é} o homem que teme ao SENHOR? Ele o ensinará no caminho {que} deve escolher.

 

Salmos 19.13, 14: Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim; então, serei sincero e ficarei limpo de grande transgressão.

Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, rocha minha e libertador meu!

 

Salmos 27:11: Ensina-me, SENHOR, o teu caminho e guia-me pela vereda direita, por causa dos que me andam espiando.

 

Salmos 28.9: Salva o teu povo e abençoa a tua herança; apascenta-os e exalta-os para sempre.

 

Salmos 86.11: Ensina-me, SENHOR, o teu caminho, {e} andarei na tua verdade; une o meu coração ao temor do teu nome.

 

            Nós, muitas vezes, temos a tendência de apresentar rapidamente as soluções e então convocamos reuniões de oração, rogando a Deus as bênçãos para nossos planos e projetos. Em primeiro lugar, Davi orava e perguntava ao Senhor. Priorizava a Palavra e a direção divina e só depois partia para a ação. Antes da oração nenhuma ação é possível. Depois da oração, qualquer coisa é possível sob a orientação de Deus.

 

11 RESPEITO HIERÁRQUICO

 

 1 Samuel 24.5-7: Sucedeu, porém, que depois o coração doeu a Davi, por ter cortado a orla do manto de Saul. E disse aos seus homens: O SENHOR me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do SENHOR, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do SENHOR. E com estas palavras Davi conteve os seus homens, e não lhes permitiu que se levantassem contra Saul; e Saul se levantou da caverna, e prosseguiu o seu caminho.

 

13 NÃO ESPERAR RECONHECIMENTO

 

1 Samuel 25.7, 10-11, 21: Agora, pois, tenho ouvido que tens tosquiadores. Ora, os pastores que tens estiveram conosco; agravo nenhum lhes fizemos, nem coisa alguma lhes faltou todos os dias que estiveram no Carmelo.

(...)

E Nabal respondeu aos criados de Davi e disse: Quem {é} Davi, e quem {é} o filho de Jessé? Muitos servos há hoje, e cada um foge a seu senhor. Tomaria eu, pois, o meu pão, e a minha água, e a carne das minhas reses que degolei para os meus tosquiadores e o daria a homens que eu não sei de onde vêm?

(...)

E disse Davi: Na verdade, em vão tenho guardado tudo quanto este {tem} no deserto, e nada {lhe} faltou de tudo quanto tem, e ele me pagou mal por bem.

 

14 TOMAR POSSE

 

2 Samuel 5.2, 3: E também dantes, sendo Saul ainda rei sobre nós, eras tu o que saías e entravas com Israel; e também o SENHOR te disse: Tu apascentarás o meu povo de Israel e tu serás chefe sobre Israel. Assim, pois, todos os anciãos de Israel vieram ao rei, a Hebrom; e o rei Davi fez com eles aliança em Hebrom, perante o SENHOR; e ungiram Davi rei sobre Israel.

 

 

CONCLUSÃO

 

            Todo o Israel se ajuntou a Davi. Por sete anos foi o reino de Davi em Hebrom, sobre duas tribos; depois Davi torna-se rei sobre todo o Israel por mais 33 anos, perfazendo o total de 40 anos. O Espírito do Senhor se apoderou de Davi. Depois de se retirar de Saul, o Espírito Santo possui Davi. Agora o adorador terá maior intimidade com o adorado. Não implica em que Davi ficaria dominado pelo Espírito Santo, pois, se assim fosse, Davi não teria cometido tantos pecados como cometeu, como por exemplo, adultério, muitas mulheres, contagem do povo por orgulho, mentiras etc.

A unificação do reino de Israel, realizada por Deus, através de Davi, possibilitou o desenvolvimento da nação. Isso se tornou possível porque Davi, apesar de suas falhas e limitações, confiou no Senhor e assumiu a posição para a qual fora chamado em obediência. O Salmo 78, nos versículos 70 a 72, resume a postura desse homem diante dessa responsabilidade:

 

Também elegeu a Davi seu servo, e o tirou dos apriscos das ovelhas; E o tirou do cuidado das que se acharam prenhes; para apascentar a Jacó, seu povo, e a Israel, sua herança. Assim os apascentou, segundo a integridade do seu coração, e os guiou pela perícia de suas mãos.

 

 

Palestra ministrada pelo Presbítero Manoel Agostinho Filho, em 15.11.2010, ao Corpo de Obreiros da Catedral das Assembléias de Deus em Areia Branca, Santa Cruz, Rio de Janeiro, RJ.